Sambistas Belo Xis e Gerlane Lops homenageados pelo Carnaval do Recife 2019

Belo Xis e Gerlane Lops, homenageados do Carnaval 2019. Foto: Andrea Rego Barros/PCR

Representantes do samba em Pernambuco, Gerlane Lops e Belo Xis serão os homenageados do Carnaval do Recife 2019. O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira (7), pelo prefeito Geraldo Julio. O ritmo tem forte presença na festa da capital, com a participação de mais de 20 blocos e escolas de samba que realizam ensaios nas prévias e desfilam no período momesco, exaltando uma tradição que data da década de 1930.

"Acho que o ritmo precisava dessa homenagem. A gente consegue colocar dentro do samba que é feito aqui as nossas origens e fazer uma boa mistura, cada um com seu swing. O mais importante é o povo, que eu acho que ficará feliz com essa homenagem", comentou Gerlane, que tem 27 anos de carreira.

Com 45 anos de estrada no samba, o cantor Belo Xis disse que agora não vê a hora do Carnaval chegar para poder sentir a emoção da homenagem. "O samba já é um gênero muito forte dentro da nossa cidade e, agora, vai ser ainda mais", destacou o veterano. 

História do samba no Recife

A história do samba no Recife vem de longa data. Os primeiros registros datam da década de 1930, mesma época do surgimento das escolas de samba do Rio de Janeiro. As primeiras referências do samba de escolas encontram-se no bairro de Casa Amarela, na batucada o Bando da Noite, mais tarde chamada Escola de Samba Quatro de Outubro. Hoje há diversas agremiações e grupos percussivos na Imbiribeira, Afogados, São José, Bomba do Hemetério, Areias, Joana Bezerra e Santo Amaro.

No Recife, o samba é a base de dois tipos de grupos carnavalescos. A escola de samba é uma agremiação que possui uma organização bem definida composta por alas, comissão de frente, mestre sala e porta bandeira, além de ter um tema e samba enredo que define como serão seus os carros alegóricos e as fantasias dos integrantes. 

Além disso, os grupos desfilam e competem anualmente no período do carnaval, assim como as escolas do Rio de Janeiro e São Paulo. Já os blocos de samba são grupos de percussão que podem ter na sua composição fantasias e alas parecidas com as escolas, mas sem uma estrutura rigorosa. Os blocos também não participam do concurso. A essência é a orquestração do samba.

Samba pernambucano foi tema do programa "Samba na Gamboa", da TV Brasil


Conheça um pouco mais sobre os homenageados do Carnaval do Recife 2019

Belo Xis

Com 71 anos de idade, Antônio José de Santana, mais conhecido como Belo Xis, é bamba de nascença. Filho de pai e mãe de sambistas, cresceu entre rodas de samba intermináveis no quintal de casa. Chegou a ser jogador de futebol profissional, mudou-se para o Rio de Janeiro e passou por grandes clubes, como Santa Cruz, Sport, Vasco e Madureira. 

E quanto mais longe de casa estava, mais perto do samba chegava. Na Cidade Maravilhosa, conheceu e gravou com grandes sambistas como Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Leci Brandão e Neguinho da Beija Flor. Lançou cinco LPs e sete CDs. 

Ganhou cadeira cativa na ala de compositores da Mocidade Independente de Padre Miguel. Mas seu coração é da Gigantes do Samba e ninguém tasca. Há 45 anos, é compositor e intérprete da escola, na Bomba do Hemetério, que escolheu para pouso e morada de seu coração sambista.

Gerlane Lops

Cantora e percussionista, Gerlane Lops descobriu a música cedo. Aos quatro anos de idade, já cantava no coral infantil Catavento. Mais tarde, decidiu rimar talento, prazer e vocação com formação. Sem soltar o microfone, estudou canto no Conservatório Pernambucano de Música e cursou Licenciatura em Música pela Universidade Federal de Pernambuco. 

Paralelamente, manteve uma intensa carreira nos palcos, com três CDS e um DVDs gravados e incontáveis apresentações no Recife e em diversas outras capitais do Nordeste e do País. Em mais de duas décadas de muito samba, já venceu vários concursos musicais, embalou muitas multidões e, aos 44 anos de idade, consagrou-se um dos principais sinônimos de samba no Recife.

Com informações da Prefeitura do Recife.

Comentários