Björk sobre Elis Regina: "Ela vai emocionalmente a lugares que não tenho coragem de ir"

Elis no programa Vox Populi em 1978. Foto: Bernardino Novo CEDOC/FPA
Por AD Luna
ad.luna@gmail.com

Em julho de 2007, entrevistei em São Paulo o músico e produtor João Marcelo Bôscolli, para o Mão na Massa. Programa idealizado e apresentado por este que vos tecla e produzido pelo Showlivre.com.

Falamos sobre música (claro, né?), a plataforma Trama Virtual (que saiu do ar em 2013) e sobre a mãe dele, Elis Regina. Um dos momentos mais interessantes e marcantes da entrevista foi quando Bôscolli revelou trecho de conversa que teve com a cantora e compositora islandesa Björk, a respeito de Elis.

"João, eu não entendo direito o que a Elis fala... Estou começando a conhecer o teor das letras agora. Mas eu percebo que ela tem coragem para ir emocionalmente a lugares que eu não coragem de ir, que eu não sei se conseguiria voltar depois", disse Björk, no encontro com ele.

Abaixo, a parte 2 da conversa. O papo sobre Elis Regina começa em 1'43".



PARA LER

"Elis Regina. Nada Será Como Antes"
por Julio Maria

A esperada biografia de Elis Regina, escrita por Julio Maria, repórter do jornal O Estado de S. Paulo, traz a história da maior cantora do País . “Elis Regina – Nada Será Como Antes” narra a vida da cantora desde seus primeiros dias em Porto Alegre, onde interpretava “Fascinação” ao lado das amigas nas escadarias de um colégio, até sua despedida trágica, aos 36 anos, quando estava prestes a, de novo, mudar tudo em sua vida.


“Não vivi a era de Elis. Quando ela faleceu, em 19 de janeiro de 1982, eu tinha nove anos de idade, e diante dessa personagem gigante, fui o que sou há 16 anos: repórter. Me joguei com o respeito que a história merecia, mas sem nenhuma tese a defender. Creio que o olhar descontaminado de paixões ou ódios ajude a traçar um perfil mais humano e menos divino”, diz Julio Maria. (Texto da Amazon)