Mulheres ainda são minoria no comando de empresas


Andressa Stamford e Amanda Pinheiro. Foto: Divulgação


Brasil é o décimo país com maior número de mulheres líderes, porém ainda são minoria

Por Thais Queiroz

Elas não querem ser parabenizadas com rosas e bombons a cada dia 08 de março. Desejam celebrar o Dia Internacional pela Luta dos Direitos das Mulheres fazendo o que sabem de melhor: romper barreiras e ganhar cada vez mais espaço na sociedade.  De acordo o estudo da International Business Report (IBR) – Women in Business 2019, da empresa de consultoria Grant Thorton, 93% das empresas brasileiras entrevistadas declararam ter ao menos uma líder feminina, acima da média global de 87%.

Mas na prática, isso realmente acontece? Existem áreas ainda predominantemente masculinas como, por exemplo, o mercado imobiliário. No Recife, poucas imobiliárias são comandadas por mulheres. Uma delas é a Bankasa, fundada em 2013 por Andresa Stamford.

Com sede na Boa Vista, a imobiliária conta hoje com 15 corretores. Seu braço direito, a coordenadora Amanda Pinheiro, completa o time. Em 2019, o faturamento - soma dos valores dos imóveis comercializados - chegou a uma média de R$1 milhão, valor expressivo para o porte da empresa. O segredo? Trabalho em equipe. "Aqui na Bankasa procuramos deixar o ambiente tranquilo, mesmo em um meio competitivo que é o de vendas. Assim todos saem ganhando", afirma Andresa Stamford.

"Se somarmos as imobiliárias comandadas por mulheres no Recife, não chegamos a cinco. Em relação ao ambiente de vendas existem diferenças na forma que é comandado, muito mais no resultado, mas não de uma forma mais sensível, como podem pensar. Temos que ter uma garra maior, um objetivo maior, e sustentar toda a credibilidade para conseguir um resultado muito melhor também", completa Amanda Pinheiro.

PRODUTIVIDADE

Empresas com mulheres em postos de liderança têm melhor desempenho nos negócios, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT). O relatório “Mulheres na gestão empresarial: argumentos para uma mudança” ouviu 13 mil empresas de 70 países.

Mais de 75% das companhias entrevistadas afirmam que seus resultados são 20% melhores com mulheres em posições de chefia.  Em termos de lucros, quase três quartos das companhias que monitoraram a diversidade de gênero em posições de gestão relataram aumentos entre 5 e 20%. A maioria teve crescimento de 10 a 15%.

A Grand Thorton também publicou a versão 2020 do estudo Women in Business, indicando que os patamares de liderança feminina nas empresas mundiais seguem os mesmos do ano passado (29% mulheres e 71% homens). Na América Latina, esse índice aumenta para 33% de mulheres líderes. E na África, região recordista, 38% são líderes femininas.

Fontes:

Relatório da consultoria Grant Thorton (em inglês): 

Edição 2020:

Estudo da OIT original em inglês: "Women in Business and Management: The business case for change"

Comentários