Femi Kuti, John Cale e Negra Li confirmados no Nublu Festival

Femi Kuti, filho do lendário Fela Kuti, toca com a banda The Positive Force. Foto: Divulgação

Comemoração dos dez anos do Nublu Festival tem ainda shows de yasiin bey, Juçara Marçal, Otis Trio 7 convida Negra Li e IFÁ . Sesc Pompeia e Sesc São José dos Campos recebem o evento

O Nublu Festival já faz parte do calendário musical brasileiro e completa 10 anos nesta edição de 2020, que acontece nos dias 12, 13 e 14 de março, no Sesc São José dos Campos, e de 12 a 15 de março, na versão paulistana. No Sesc Pompeia, o evento ganha um dia a mais, encerrando com a apresentação da Nublu Jams. Para comemorar uma década de intercâmbio entre artistas de diversas partes do mundo, o festival traz três ícones dos estilos sempre presentes na programação: Femi Kuti (afrobeat), John Cale (rock), e yasiin bey, previamente conhecido como Mos Def (hip hop).  

A noite avant-garde e indie terá o grande mestre John Cale. Lenda da música vanguardista e do rock alternativo, ativo há mais de cinco décadas, John Cale foi um dos fundadores do The Velvet Underground, banda ícone que revolucionou a música nos anos 60, influenciando várias gerações de artistas. Quem toca na mesma noite é Juçara Marçal, que usa sua multiplicidade e talento para homenagear a inovadora artista Brigitte Fontaine. 

O dia do hip hop e suas dissidências no jazz traz Negra Li, a rainha do rap brasileiro, forjada na fonte das divas que bebem em vários estilos, misturando-se ao jazz autoral do Otis Trio 7. Os músicos paulistas abrem a performance de yasiin bey (fka Mos Def), ator, ativista e um dos maiores representantes do hip hop internacional, que construiu sua carreira com parcerias versáteis, transitando por diferentes linguagens.

A programação também apresenta o recorte da diáspora africana, sempre recorrente no Nublu. Nesta noite, Bahia e Nigéria estão conectadas pelo afrobeat. Com suas semelhanças e particularidades, se apresentam a banda instrumental IFÁ, de Salvador, que traz o Brasil afro contemporâneo e, na sequência, o “príncipe do afrobeat” Femi Kuti e sua grande banda The Positive Force.

O encerramento do festival acontece no Sesc Pompeia com uma atração mais do que especial: Nublu Jams. projeto criado pelo saxofonista de Ilhan Ersahin, também fundador do selo, do club e do Nublu Festival. Junto com ele vão se apresentar músicos versáteis e virtuosos que transitam em diferentes cenas da música brasileira - jazz, experimental, afro e funk, além da banda paulistana GoatFace! - capitaneada pelo talentoso Guilherme Granado.

SOBRE OS ARTISTAS

Femi Kuti & The Positive Force (NIG)

Filho de Fela Kuti, o criador do afrobeat, Femi Kuti começou tocando na banda do pai, a lendária Egypt 80. Em 1986, formou a sua própria banda, The Positive Force e, em 1995, lançou o primeiro disco pelo selo Tabu/Motown. Desde então, a sua sólida discografia, sempre pautada por variação e expansão musical do gênero, já lhe rendeu quatro nomeações ao Grammy. 

Femi Kuti (vocal) será acompanhado por Made Kuti (baixo), Opeyemi Awomolo (guitarra), Oluwaseun Ajayi  (teclado), Kate Udi  (backing vocal e dançarina), Anthonia Bernard  (backing vocal e dançarina), Olajumoke Adigun (backing vocal e dançarina), Gbenga Ogundeji (trompete), Anthony Ankra (trombone), Ayodeji Adebanjo (sax tenor), Ayoola Magbagbeola (sax barítono), Alaba Ayodele  (bateria) e Gaelle Salomon (percussão).

IFÁ (BRA)

Integrante de um movimento independente que vem ressignificando o cenário musical baiano, a banda instrumental nascida em Salvador tem o mesmo nome do oráculo africano, que se converteu ainda numa sigla inventiva para a junção de três ritmos: ijexá, funk e afrobeat. Partindo da fórmula instrumental forjada por Fela Kuti, o grupo ratifica a importância da música como elo histórico entre as culturas negras da diáspora, fazendo do seu discurso um manifesto de afirmação estética. O repertório autoral é inspirado no universo da música transnacional de matriz africana e suas conexões com a Bahia contemporânea, embalada pelo ritmo do ijexá, dos blocos afro e dos afoxés. 

A banda é formada por Jorge Dubman (bateria), Fabricio Mota (baixo), Alexandre Espinheira (percussão), Juliano Oliveira (teclados), Enio Nogueira (guitarra), Mateus Aleluia Filho (trompete e flugelhorn), Léo Couto (sax alto e sax tenor) e Gleissom Coelho (sax barítono e flauta).

DJ Magrão (BRA)

Magrão está envolvido com a música desde a adolescência nos anos 1980, tendo tocado guitarra e baixo em diversas bandas paulistanas. A troca dos instrumentos musicais pelos toca-discos começou em 1996, quando passou a usar sua coleção de discos para animar encontros de amigos. A partir dali os convites começaram a ficar cada vez mais frequentes, levando-o a passar por quase todas as principais pistas de dança de São Paulo. O set do DJ é uma mistura de faixas clássicas, raras e até exclusivas de reggae, dancehall, soul, funk, jazz, hip hop, além de música brasileira e africana. Atualmente residente da disputada festa Fresh! e também integrante do coletivo Patuá DJs, o DJ já se apresentou em parceria com artistas como as lendas da música jamaicana Ranking Joe, Welton Irie, Eek a Mouse, Yami Bolo e Lone Ranger, além de brasileiros como Russo Passapusso, BNegão, Black Alien  e Junior Dread, entre outros. Magrão também foi um dos fundadores, em 2002, do Dubversão Sistema de Som, o mais tradicional e importante “Sound System” de reggae do Brasil.

yasiin bey (fka Mos Def) (EUA)

Figura fundamental na história do hip hop, o MC do Brooklyn prima pelo ecletismo. Além de integrante do duo Black Star, um dos nomes fundamentais do rap alternativo, e de ter assinado discos clássicos do gênero, como Black on Both Sides, responde por sólida filmografia como ator de Hollywood. Inventivo e surpreendente, lançou o álbum Negus, na forma exclusiva de uma instalação no Brooklyn Museum, de Nova Iorque, no fim do ano passado. Sua relação com o Brasil é antiga e inclui um período de filmagens, shows com Talib Kweli, três visitas individuais e a gravação da faixa Casa Bey, na qual rima sobre a versão da Banda Black Rio para Casa Forte, de Edu Lobo. yasiin bey (vocal) será acompanhado pelo DJ Big Von. 

Otis Trio 7 convida Negra Li (BRA)

Jazz autoral made in ABC. Com mais de dez anos de estrada, o grupo passou por diversas formações, do trio ao octeto, tendo se apresentado com diferentes instrumentistas, DJs e rappers. Lançaram três discos oficiais, destaque para 74 Club, produzido a convite da gravadora inglesa Far Out, especializada em música brasileira de vanguarda. Exibindo uma síntese do trabalho dos últimos anos, eles mostram novas composições no palco do Nublu, assim como uma parceria inédita com Negra Li. Grande diva do rap nacional, a cantora tem profunda influência jazzística e, embora costume citar Nina Simone como referência, esta é a primeira vez em que vai apresentar esta faceta ao público. Negra Li (vocal) será acompanhada pelo Otis Trio 7, formado por Luiz Galvão (guitarra), João Ciriaco (contrabaixo acústico), Flavio Lazzarin (bateria), Amilcar Rodrigues (trompete), André Calixto (sax), Richard Fermino (clarone) e Willian Aleixo (piano).

DJ Lys Ventura (BRA)

Influenciada pela cultura dos bailes, Lys Ventura cresceu na zona leste de São Paulo, onde a rádio, instrumentos musicais, discos de vinil e passinhos de dança personificaram sua trajetória. Sua discotecagem é temperada pela música norte-americana e brasileira, mas sua especialidade é a música jamaicana que coleciona há 7 anos. Integrou o projeto Feminine Hi-Fi e já se apresentou com artistas como Anelis Assumpção, Karina Buhr e Marina Peralta. Além de discotecar nas principais cidades do Brasil, já realizou duas turnês internacionais incluindo as principais cidades da Europa.

John Cale (EUA)

Talvez mais conhecido como cofundador do Velvet Underground, ao lado do saudoso Lou Reed, John Cale é um dos artistas mais influentes da história do rock. Ele também é um dos mais dinâmicos, com uma extensa obra, que engloba múltiplas facetas e desafia os rótulos. Como membro de banda, integrou uma das mais influentes de todos os tempos. Como produtor, assina por exemplo The Stooges, mítico álbum de estreia de Iggy Pop & cia. Como colaborador, tem Songs For Drella, homenagem póstuma a Andy Wharol, o papa da pop art, e padrinho primeiro do Velvet Underground, que marca o reencontro com Lou Reed, em 1990. O mesmo vale para a carreira solo, cujo álbum Fragments Of A Rainy Season, gravado ao vivo em 1992, é um dos pontos altos. O relançamento desse disco em edição de luxo com faixas extras, em 2017, passou a pautar suas apresentações. 

John Cale (vocal, guitarra e teclado) será acompanhado por Dustin Boyer (guitarra), Joey Maramba (baixo) e Deantoni Parks (bateria).

Juçara Marçal canta Brigitte Fontaine (BRA)

Cantando em francês, Juçara Marçal, do Metá Metá, apresenta repertório baseado na obra da francesa Brigitte Fontaine. Neste show, ela experimenta os limites entre o canto, a fala, o grito e a declamação, mergulhando no repertório da artista francesa, sobretudo do Comme à la radio, que nasceu como um espetáculo e se tornou disco em 1970. É um divisor de águas, em que Brigitte quebra os limites da canção tradicional francesa, apoiada pela sonoridade originalíssima do Art Ensemble of Chicago. 

Juçara Marçal (vocal) será acompanhada por Thaís Nicodemo (piano e teclados) e Kiko Dinucci (guitarra, samples e sintetizadores).

DJ Tiago Nicolas (BRA)

DJ há quase duas décadas, fez história na noite como figura central da Chaka Hotnightz, festa que revolucionou o conceito de discotecagem na São Paulo dos anos 2000. Agora, Tiago Nicolas é residente da festa Rolex, no Mandibula Bar. Seu set é focado na powerful music, termo cunhado pelo próprio, que engloba do rock até o free jazz. Sempre com algo de mistério e improviso, se adaptando aos mais diversos ambientes.

Nublu Jams - Ilhan Ersahin, Guizado, Zé Nigro, Chicão, Tony Gordin, Samuel Fraga (EUA/BRA)

Para essa ocasião, o saxofonista Ilhan Ersahin, também fundador do selo, do clube novaiorquino e do Nublu Festival, fez questão de criar um projeto especial. Assim surge o Nublu Jam Sessions, que reúne instrumentistas experientes da música paulistana para tocar jazz, soul, funk, rock, e todo o groove possível e imaginável! 

Ilhan Ersahin (sax), que também é músico do Wax Poetic e Praia Futuro (grupo formado também por membros da Nação Zumbi e Cidadão Instigado), será acompanhado nesta viagem por Guizado (trompete), Chicão (teclado), Zé Nigro (baixo), Samuel Fraga (bateria) e Tony Gordin (bateria).

GoatFace! (BRA)

Guilherme Granado, cujas credenciais como membro do Hurtmold e São Paulo Underground, músico de Pharoah Sanders, Prefuse 73 e tantos outros, já falam por si só, está à frente do GoatFace!, que reúne a nata da música contemporânea mais livre e criativa que a cena de São Paulo tem a oferecer. Junto a ele, se apresentam o tarimbado Thomas Rohrer, Cacá Amaral, Leandro Archela (Naaxtro, Bode Holofonico), Ricardo Pereira (Black Snake 808, Bodes e Elefantes) e Rogerio Martins, parceiro de Hurtmold. O primeiro álbum já foi gravado e deve ser lançado nos próximos meses. Enquanto isso, a única maneira de ouvir o grupo é no palco, seu habitat mais natural.

GoatFace! é formado por Guilherme Granado (teclados, eletrônicos, percussão), Ricardo Pereira (percussão), Rogerio Martins (clarone, clarinete, percussão), Leandro Archela (teclados e percussão), Thomas Rohrer (sax, rabeca e percussão) e Caca Amaral (bateria).

DJ Kamui Sumida (JAP)

Quando se trata de DJs de qualidade, que possuem não apenas seu próprio estilo, mas também uma coleção seleta de discos e o refinamento exigido para tocá-los, Kamui Sumida é uma joia rara. Ele é uma referência de alto nível, que conecta o público à música e conduz a todos numa jornada através de sons e vibrações. Das delícias do funk & soul ao disco, Kamui personifica o espírito e o ouvido dos grandes DJs que o precederam, enquanto trilha seu próprio caminho. Já compartilhou o palco e abriu para artistas importantes, incluindo DJ Krush, Floating Points, DJ Spina, Q Tip, Talib Kweli, Just Blaze, Rich Medina e DJ Craze, entre outros.

CENOGRAFIA

As cenografias com arte-mídia do Estúdio Laborg já podem ser consideradas parte do Nublu Festival. Para esta edição, a instalação tem como base os estudos e pesquisas que o Estúdio Laborg desenvolve há dois anos sobre luz colorida refletida, explorando os diferentes efeitos visuais criados a partir da relação entre a luz emitida, a luz refletida e as misturas das cores. 

PROGRAMAÇÃO SESC POMPEIA

12 março (quinta)

A partir das 20h30: IFÁ (BRA) e Femi Kuti (NIG)

Abertura DJ Magrão (BRA)

13 março (sexta)

A partir das 20h30: Otis Trio 7 convida Negra Li (BRA) e yasiin bey (fka Mos Def) (EUA)

Abertura DJ Lys Ventura (BRA)

14 março (sábado)

A partir das 20h30: Juçara Marçal (BRA) e John Cale (EUA)

Abertura DJ Tiago Nicolas (BRA)

15 março (domingo) 

A partir de 18h: GoatFace! (BRA) e Nublu Jams (EUA/BRA)

Abertura DJ Kamui Sumida (JAP)


PROGRAMAÇÃO SESC SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

12 de março (quinta)

A partir das 20h: Otis Trio 7 convida Negra Li (BRA) e yasiin bey (fka Mos Def) (EUA)

Abertura DJ Lys Ventura (BRA)

13 março (sexta)
A partir das 20h: Juçara Marçal (BRA) e John Cale (EUA)
Abertura DJ Tiago Nicolas (BRA)
14 março (sábado)
A partir das 20h: IFÁ (BRA) e Femi Kuti (NIG)

Abertura DJ Magrão (BRA)

*Cenografia todos os dias por Estúdio Laborg.

*As apresentações dos DJs ocorrem antes do início e no intervalo dos shows.

SERVIÇO

Sesc Pompeia | Comedoria
Não recomendado para menores de 18 anos.

A capacidade do espaço é de 800 pessoas. Assentos limitados: 150. A compra do ingresso não garante a reserva de assentos. Abertura da casa: 20h.

Ingressos 

R$ 18,00 (credencial plena / trabalhador no comércio de bens e serviços matriculado no Sesc e dependentes)
R$ 30,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) 
R$ 60,00 (inteira)

Venda online a partir de 03 de março, terça-feira, às 12h. 

Venda presencial nas bilheterias das unidades do Sesc no estado de São Paulo a partir de 04 de março, quarta-feira, às 17h30.

Rua Clélia, 93 - São Paulo/SP

Tel.: +55 11 3871 7700

Sescsp.org.br/pompeia
facebook.com/sescpompeia
Instagram: sescpompeia   

Sesc São José dos Campos | Ginásio

Não recomendado para menores de 16 anos.

A capacidade do espaço é de 650 pessoas. A compra do ingresso não garante a reserva de assentos. Abertura da casa: 20h.

Ingressos

R$ 15,00 (credencial plena / trabalhador no comércio de bens e serviços matriculado no Sesc e dependentes)
R$ 25,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) 
R$ 50,00 (inteira) 
Venda online a partir de 03 de março, terça-feira, às 12h. 

Venda presencial nas bilheterias das unidades do Sesc no estado de São Paulo a partir de 04 de março, quarta-feira, às 17h30.

Av. Dr. Adhemar de Barros, 999 - São José dos Campos/SP

Tel.: + 55 12 3904 2000
sescsp.org.br/sjcampos

facebook.com/sescsjcampos
Instagram: sescsjcampos

Comentários