Teatro: Grupo Totem em cena apresenta trabalho em processo

Grupo Totem promove encontro em Olinda. Foto: Fernando Figueirôa/Divulgação
Por Tatiana Meira


Para o Grupo Totem, o teatro é entendido pelo que ele compreende de ritual. Detentores de uma trajetória singular, marcada pela performance poética e pela investigação de linguagens, a companhia pernambucana aprofunda o mergulho em sua própria história ao mostrar seu novo trabalho em processo, neste sábado (7 de dezembro), no evento “Metamorfismo de (R)existência”, das 18h às 21h, no casarão de número 344, localizado à Rua de São Bento, na Cidade Alta, em Olinda (a mesma do Mercado da Ribeira e da Prefeitura de Olinda).

Além da demonstração da pesquisa que serve como embrião do novo trabalho do Totem, que estreia em 2020, o público poderá acompanhar a mesa de conversa “Teatro, performance e ritual: encontros, cruzamentos, contaminações”, com a participação de Angélica Costa, Alexandre Nunes e Fred Nascimento.

Um dos fundadores da cia teatral, o diretor Fred Nascimento também aproveita a ocasião para lançar o livro “Grupo Totem – A Infecção Pela Performance e a Encenação Performática”, que ficou pronto no final de setembro e saiu pelo selo do Sesc Pernambuco, num projeto a convite de Rudimar Constâncio, do Sesc Piedade. Um exemplar do livro custa R$ 40.

Na publicação, Fred fala dos procedimentos de criação do Totem, da estética do teatro mais alternativo e experimental a partir de nomes como o teatrólogo Antonin Artaud, e da chegada da performance ao Estado. Também é citado no livro o Trem Fantasma, precursor do Totem e que nasceu no mesmo casarão em Olinda no qual será realizado o evento deste sábado.

“No caos urbano que vivemos agora, é o momento de olharmos para nossa ancestralidade e nossa origem, mas sem perdermos a conexão com o futuro”, aponta o diretor, ao citar os dois espetáculos do Totem nos quais se baseia o novo espetáculo – “Ita”, de 1991, e “Caosmopolita”, de 2005.

“Em ‘Metamorfismo de (R)existência’ o grupo se propõe a revisitar o eixo de dois de seus espetáculos, tendo como pontos de partida os corpos animal e ancestral, ressignificando-os sob a ótica do conceito de ‘descolonização’, enquanto perspectiva de resolução ao caos gerado pela cultura hegemônica, criando uma performance como resultado de todo o processo de pesquisa”, ressalta Fred.

Serviço:
“Metamorfismo de (R)existência”, apresentação de trabalho em processo, mesa de conversa e noite de autógrafos, com o Grupo Totem
Quando: Neste sábado (7), das 18h às 21h
Onde: Rua de São Bento, 344, Cidade Alta, Olinda (a mesma do Mercado da Ribeira e da Prefeitura de Olinda)
Entrada franca

Comentários