Pernambuco e Paraíba juntos em noite musical



Quarteto já se apresentou junto na edição anterior da Noite Paraibucana, em João Pessoa, e agora faz a “rodada da volta”, no Terra Café, no Centro do Recife

As cenas musicais de Pernambuco e Paraíba nutrem um elo histórico. Para celebrar a proximidade geográfica e estética entre os dois estados, o músico pernambucano Juvenil Silva criou, em 2018, o projeto “Noite Paraibucana”, que chega à segunda rodada de sua terceira edição neste domingo (20). Em setembro, Juvenil foi a João Pessoa (PB) com a cantora e compositora Marília Parente para apresentação em conjunto com os paraibanos Paulo Ró e Débora Malacar. Agora, a dupla pernambucana será anfitriã, no Terra Café, no Centro do Recife, em uma tarde de música autoral. 

“A Noite Paraibucana surgiu quando eu ouvi algumas pessoas da Paraíba dizendo que os artistas do Recife não era legal, aberto. Eu achei essa história de “rixa” um absurdo, porque os estados são colados e os artistas dialogam. Então veio essa ideia de aproximação, hoje já sei bastante coisa que rola lá”, conta Juvenil Silva. O projeto já contou a participação de artistas relevantes nas cenas artísticas dos dois estados, a exemplo dos músicos Marcelo Cavalcante, Titá Moura, Seu Pereira, Chico Limeira e os poetas Giuseppe Macena e Débora Gil Pantaleão. 

Para Marília Parente, a Noite Paraibucana também é uma oportunidade colaborativa de promover a circulação de artistas independentes. “A gente curte muito João Pessoa. Antes da Noite Paraibucana, eu já tinha ido lá participar do show de Daíra (cantora carioca) e Juvenil Silva, o Feiticeiro Julião foi conosco. Curtimos uma praia, tomamos uma cervejinha, divulgamos nosso trabalho, vendemos uns discos e fazemos amigos”, comenta a compositora. Sem nenhum tipo de patrocínio, o projeto é materializado a partir do investimento de recursos próprios dos artistas. “Paulo Ró e Débora podem ficar hospedados na minha casa, assim como eles conseguiram hospedagem para a gente na Paraíba. Contamos com a bilheteria para bancar as passagens, alimentação e o sustento de todos”, afirma Parente. 

Serviço//Noite Paraibucana: Juvenil Silva, Marília Parente, Débora Malacar e Paulo Ró no Terra Café

Quando: 20/10, 16h
Onde: Rua Bispo Cardoso Ayres, 467, Soledade
Entrada: R$ 15

Sobre Paulo Ró

Paulo Roberto do Nascimento é cantor, compositor, percussionista e poeta brasileiro. Criado em Jaguaribe, bairro do centro de João Pessoa, ele formou, nos anos 1970 ao lado do irmão Pedro Osmar, o Grupo Jaguaribe Carne de Estudos, autodenominado um grupo de "guerrilha cultural", a partir do qual começam a desenvolver suas ideias musicais e políticas. O projeto foi um dos acontecimentos mais relevantes da música brasileira do período, revelou compositores como Chico César, Escurinho e Totonho, além de ter se apresentado no Festival de Jazz de Montreux, em 1999. Paulo Ró possui, entre solos e obras conjuntas, um total de oito discos. 

Sobre Marília Parente

Aos 25 anos, a cantora e compositora pernambucana acaba de lançar seu primeiro disco, “Meu céu, meu ar, meu chão e seus cacos de vidro”, que agrega a gêneros nordestinos como o aboio, o baião, o xote e o maracatu cearense uma linguagem mais pop.  Nascida no Recife e criada no Exu, no sertão de Pernambuco com sua família (repleta de vaqueiros), Marília traz na voz o registro único das rezadeiras de seu Cariri. Em suas músicas, a compositora reflete sobre as estradas, literais e figuradas, e atravessamentos inerentes a todos os seres humanos. Na era da internet, é o regional que busca se tornar ainda mais universal. Compõe o coletivo Avoada, ao lado de Juvenil Silva, Marcelo Cavalcante e Feiticeiro Julião, com o qual lançou EP, em julho de 2019. 

Sobre Débora Malacar

Débora Malacar (Parahyba, 1986) é cantora, instrumentista (teclas, eletrônicos e apitos) e compositora. Ao longo da sua trajetória, participou de bandas formadas por mulheres (lírios do gueto, as ritas, malacares trio e outros projetos transversais), gravou 2 eps como vocalista da sonora sambagroove e fez parte da chico correa & electronic band até 2016, quando decidiu se dedicar ao trabalho de elaborar canções. Brincante, conta suas idéias, que trazem o imaginário folclórico para texturas mais urbanas, através de beats e ruídos, o que a torna uma compositora imagética. Atualmente, trabalha seu primeiro EP -intitulado de viagem do centro da terra- e que será lançado até o final de 2019.

Sobre Juvenil Silva

O músico começou sua carreira na banda Canivetes, que se apresentou em festivais como o Abril pro Rock e o Festival de Inverno de Garanhuns. Em sua carreira solo, já acumula três discos: “Desapego” (2013), “Super Qualquer no meio de lugar nenhum” (2014) e “Suspenso (2018). Com o projeto Dunas do Barato, lançou um EP no ano de 2013. Juvenil também é o atual vocalista e guitarrista da Banda dos Corações Selvagens e compõe o coletivo Avoada, ao lado de Juvenil Silva, Marcelo Cavalcante e Feiticeiro Julião, com o qual lançou EP, em julho de 2019. 

Comentários