Atividade humana contribui para nova onda de extinção na Terra

A jornalista Elizabeth Kolbert. Foto: Nicholas Whitman

Por Alexey Dodsworth*

A espécie humana ocidental tende a fazer resoluções de ano novo, e emagrecer costuma figurar no alto da lista. A minha principal resolução, devo dizer, é engordar. Engordar a lista de livros lidos. Meu projeto otimista envolve um livro por semana; o realista, dois por mês. O fim do ano revelará se consegui ler 24, 48 ou algum outro número entre eles.

Vamos, então, ao início da dieta de engorda:

Tive sorte. Meu primeiro livro lido de 2019 é um primor. "A sexta extinção: uma história não natural", da jornalista Elizabeth Kolbert, ganhou o Prêmio Pulitzer 2015, e méritos para isso é que não faltam. 

Com ele, viajei mentalmente do Panamá ao Brasil, passando pela Itália, Estados Unidos e tantos outros países, acompanhando o empenho da autora em tentar entender uma das mais fundamentais questões dos nossos tempos: nós humanos estamos de fato contribuindo para a redução da biodiversidade do planeta?


"A sexta extinção" é uma aula dada em linguagem clara, mas jamais superficial. A capacidade de Kolbert para descrever o que ela mesma experimenta dá a vívida sensação de ter participado com ela de cada aventura. 

Ela mergulha, sobe montanhas, atravessa florestas, e faz tudo isso ao lado de cientistas especialistas em suas áreas. Kolbert é tão boa jornalista, que termina sendo a professora de ciências que qualquer um gostaria de ter: aquela que ensina a diferentes idades. 

Adolescentes entenderão o que ela escreve, e adultos não se sentirão diante de um texto tolo. Os idosos se sentirão afortunados por terem tido a oportunidade de conhecer o planeta Terra em toda a sua biodiversidade - coisa que talvez nossos bisnetos não terão.

Quando se fala em "eventos de extinção", é comum que a maioria das pessoas pense apenas em um: o evento extraterrestre que deu fim aos dinossauros. Há, na verdade, outros quatro eventos, e um em curso. Se você pensou em "aquecimento global", lamento, mas não é só isso. 

Mesmo que você duvide dessa alternativa, considere a acidificação oceânica, considere a eliminação de espécies inteiras decorrente de nosso pouco cuidado no manejo do mundo. Nós importamos inadvertidamente espécies que causam danos irreversíveis a outras.

Mas se somos um pouco demônios, somos também um pouco deuses. O agente da sexta extinção é também o único na natureza cuja inteligência e habilidades tornam-no capaz de garantir a conservação e ampliação da biodiversidade.

Terminei o livro com a sensação de ter viajado com uma amiga muito inteligente e divertida. Aprendi coisas que nem imaginava. Sem pestanejar, cinco estrelas de cinco para o livro.

Editora Intrínseca.
Tradução de Mauro Pinheiro.
280 páginas [sem considerar notas e agradecimentos].

[Há uma referência bem humorada à Mensa, em um capítulo, quando ela fala de "animais Einstein"]

*Alexey Dodsworth é escritor e pesquisador, mestre em ética e filosofia pela USP; doutorando da Universidade Ca Fóscari, em Veneza, na Itália.

Leia outros conteúdos com participação de Alexey Dodsworth no Interdependente


PARA COMPRAR

"A sexta extinção: Uma história não natural" (eBook Kindle)
por Elizabeth Kolbert 



Ao longo dos últimos quinhentos milhões de anos, o mundo passou por cinco brutais extinções em massa, nas quais sua biodiversidade caiu de maneira abrupta. Dessas, a mais conhecida foi a que eliminou, entre outros seres vivos, os dinossauros, quando um asteroide colidiu com o planeta há 65 milhões de anos. Atualmente, vem sendo monitorada a sexta extinção, que tem potencial para ser a mais devastadora da história da Terra. Mas, dessa vez, a causa não é um asteroide ou algo semelhante. Nós somos a causa. (Texto da Amazon)

“Poderoso. Uma contribuição inestimável ao nosso conhecimento.”Al Gore

“Cientistas mostram que houve cinco grandes extinções ao longo da história da Terra (pense nos asteroides que dizimaram os dinossauros), e Elizabeth Kolbert revela, de maneira bastante convincente, que a atividade humana está levando o planeta para a sexta.”Bill Gates

“O novo e surpreendente livro de Kolbert é um modelo de jornalismo ao abordar teorias e hipóteses muito complexas de maneira acessível até para os leitores mais leigos.”The New York Times

“O excepcional no texto de Elizabeth Kolbert é a combinação entre rigor científico e humor ácido que prende o leitor a cada página.”National Geographic



Comentários