Joseph Tourton lança segundo álbum no Coquetel Molotov

Banda recifense está de volta. Foto: Flora Pimentel

Por Rebeca Gouveia

O show de lançamento do segundo álbum da banda será lançado durante a programação do Festival Coquetel Molotov, que acontecerá no próximo dia 17 de novembro

Sabe aqueles caras do Recife que se juntaram em jam sessions em meados de 2007, lançaram um EP em 2008, e logo após lançarem um excelente álbum em 2010 ganharam os palcos dos principais festivais do Brasil com um show energizante? Após um hiato de oito anos, A Banda de Joseph Tourton volta para lançar o segundo álbum em nova fase com um trabalho mais amadurecido. O disco foi lançado em maio de 2018 nas plataformas de streaming e arrancou boas críticas. Agora, chegou a hora de conferir o novo trabalho ao vivo e a cores na capital pernambucana.

Com uma pegada ainda mais experimental que o anterior, o novo álbum ,homônimo, tem uma sonoridade mais elaborada, com uma forte presença de metais, dialogando com o jazz, a psicodelia e o rock. Assim como no primeiro trabalho de estúdio, existe um tom contemplativo em algumas canções, com o emprego de instrumentos como a flauta transversal e a escaleta, mas logo guitarras distorcidas, efeitos eletrônicos, e uma sessão rítmica pulsante tomam de assalto a atenção do ouvinte, para rapidamente voltar a um clima relaxante. 

Carregando o mesmo nome da banda, o disco apresenta nove faixas autorais, que foram produzidas em diferentes ocasiões: há faixas gravadas e produzidas no Estúdio Base, no Recife, por Arthur Soares e Vinicius Lezo, no Rio de Janeiro, por Bruno Giorgi, e no estúdio Das Caverna (PE) por Diogo Guedes, além do material remanescente do retiro que a banda fez numa granja para o processo de pré-produção. O trabalho foi mixado por Diogo Guedes e masterizado por Bruno Giorgi, e conta com as participações de Chiquinho (Mombojó), Haley (ex-membro da paraibana Burro Morto), Caio Lima (Rua) e do violoncelista italiano Federico Puppi. 

Em 2016, os multi instrumentistas apresentaram um pouco do que estava por vir quando lançaram o single TBC, o que gerou uma expectativa para esse novo trabalho, que teve um hiato de 08 anos nos palcos e sem lançamentos. "Esse é um disco livre, onde tivemos a liberdade de compor sem saber muito bem aonde íamos chegar, começamos com várias jams, riffs experimentais, e com o tempo chegamos ao resultado final, com uma sonoridade mais elaborada e uma forte presença dos metais, que têm os arranjos assinados por Parrô Melo. No resultado final também ficou bastante material da pré-produção”, explicou Rafael Gadelha, baixista do grupo.

O trabalho foi lançado oficialmente no SESC Av. Paulista, em São Paulo e segue em turnê para o Nordeste.

A Banda de Joseph Tourton - O grupo recifense deu a partida em 2007, fazendo prolongadas jam sessions na casa do guitarrista Gabriel Izidoro, que ficava na Rua Joseph Tourton, no bairro da Tamarineira, no Recife. Como a ausência de um vocal nunca fez falta nos encontros, a banda foi organicamente se estabelecendo como instrumental. Eles se firmaram em: Diogo Guedes (guitarra, teclado e efeitos), Gabriel Izidoro (guitarra, teclado, flauta e escaleta), Pedro Bandeira (bateria e efeitos) e Rafael Gadelha (baixo).

TOURton - A Banda de Joseph Tourton se apresentou em dezenas de cidades brasileiras de diversos estados e passaram por palcos renomados, como Virada Cultural (SP), Recbeat (PE), Conexão Vivo (Recife e BH), Jambolada (MG), SESC Instrumental (SP), Mostra Instrumental Contemporânea (RJ), Festival Mundo (PB), DoSol (RN), e Coquetel Molotov (PE e BA). Dividiram palcos com Lúcio Maia, Guisado, Vítor Araújo, e abriram shows para Dinosaur Jr (EUA), Kevin Johansen (ARG) e Cidadão Instigado (CE). Com a turnê do primeiro trabalho, o grupo foi indicado a Aposta MTV Categoria Instrumental em 2010, e o álbum, aclamado pela crítica especializada como Billboard, Rolling Stone, Folha de São Paulo e Estadão.


Comentários