O que acontece quando você é excomungado?

Imagem de Robert Cheaib por Pixabay

Por Alexey Dodsworth
Escritor, Doutor em Filosofia pela USP e Universidade Ca Fóscari (Veneza, Itália)

Trago notícias sobre excomunhão, conforme prometi a alguns amigos há alguns dias. Adianto que não sou católico, muito menos religioso de qualquer tipo, e pouco me importa ser excomungado (eu sou) ou que alguém o seja. Trago a informação como curiosidade, pois noto que muitos ignoram o assunto - mesmo quando se definem como católicos!

Sempre que rola algum problema envolvendo aborto, essa história volta. Recentemente, ficamos sabendo que o médico que realizou o procedimento de interrupção da gravidez numa criança de dez anos foi excomungado. “Pela segunda vez”, informa um jornal. “Todos os envolvidos no procedimento são excomungados”, informam as notícias.

“Quero que o padre me excomungue também”, escreveram alguns contatos meus, em apoio à menina e aos médicos. Com algumas variações, nada de diferente do que ocorreu anos atrás, envolvendo outra menina que passou pelo procedimento. Lembro bem da mesma celeuma.

E o que significa ser excomungado? Você vai pro inferno? É possível ser excomungado várias vezes? E se você quiser ser ex-excomungado?

Vamos lá:

A excomunhão é - geralmente, mas nem sempre - um processo LATAE SENTENTIAE, expressão em latim que significa AUTOMÁTICO.

Isso quer dizer que se você já abortou ou ajudou alguém a abortar, você foi excomungado. Para os católicos, não importa o motivo do aborto: se fez, excomungou-se. Não é o padre quem lhe excomunga. É o ato em si. O padre, no máximo, só lhe informa sobre o que ocorreu caso saiba que você abortou ou se envolveu em um aborto. Mas, mesmo que o padre não saiba, você continua excomungado.

Deste modo, estão excomungados não apenas a criança, a família dela e os médicos, como também as pessoas ricas cujos abortos muito bem amparados e caros não causam nenhum estardalhaço. Adiciono: no caso da criança, há divergências. Algumas autoridades argumentam que ela não pode ter sido excomungada por ser criança. Outros dizem que sim. Mas e se ela nunca comungou?

MAIS





Esse tipo de excomunhão difere da de outro tipo, denominado FERENDAE SENTENTIAE, emitido pela autoridade eclesiástica. Ocorre que, pelos critérios católicos, é bastante provável que você tenha sido excomungado e não o saiba.

Vejamos o que produz a excomunhão latae sententiae:

- Bater no Papa (não façam isso com o atual, muito gentil ele);
- Abortar ou provocar aborto ou ajudar alguém a abortar;
- Pegar qualquer objeto consagrado e o utilizar para fins não católicos. Algo como pegar uma cruz consagrada e usá-la para invocar Baphomet ou ir pra uma festa gótica.
- Invocar os mortos. Sabe aquele tabuleiro ouija que você usou? Pois é. Sabe o centro espírita em que você foi? Pois é;
- Consultar ou praticar astrologia e quaisquer oráculos. Anos atrás, um conhecido meu abandonou o trabalho como astrólogo ao ser informado de que tal prática produzia a excomunhão latae sententiae. Este ponto precisa ser confirmado. Um padre já me disse que sim, que consultar ou praticar astrologia produz excomunhão automática. Outro disse que não. A página do Vaticano, contendo o Catecismo da Igreja Católica, informa que:

“Todas as formas de adivinhação devem ser rejeitadas: recurso a Satanás ou aos demónios, evocação dos mortos ou outras práticas supostamente «reveladoras» do futuro. A consulta dos horóscopos, a astrologia, a quiromancia, a interpretação de presságios e de sortes, os fenómenos de vidência, o recurso aos "médiuns", tudo isso encerra uma vontade de dominar o tempo, a história e, finalmente, os homens, ao mesmo tempo que é um desejo de conluio com os poderes ocultos. Todas essas práticas estão em contradição com a honra e o respeito, penetrados de temor amoroso, que devemos a Deus e só a Ele.” - ADVINHAÇÃO E MAGIA - 2116 

Seria, portanto, apostasia, que faz parte do rol das coisas que geram excomunhão automática.

E o que acontece com quem foi excomungado?

Nada. Você só não pode comungar. Não é uma condenação ao inferno. E se você não disser nada, ficar quietinho e for até a missa comungar? Na verdade, você não comungou.

Para se ex-excomungar, é preciso se arrepender. Antigamente, só bispos e papas poderiam re-comungar a pessoa (salvo em risco de morte, daí um padre também poderia), mas o Papa Francisco determinou que padres também podem fazê-lo, se o pecador se confessar, mesmo sem risco de morte.

Conclusão: e daí? Isso só tem importância para quem é católico. Não é, nem de longe, meu caso.

Se a criança for católica e quiser se recomungar, não faltarão padres acolhedores. Eles existem, e são muitos. Idem pro médico e para qualquer parte envolvida.

E você, já fez algo que lhe excomungou hoje?

CONFIRA LIVROS DE ALEXEY DODSWORTH


Aphriké é o nome de um planeta fadado à luz interminável. Um planeta considerado o único do universo, e habitado por uma raça telepática que desconhece o sono, o sonho e a privacidade. Convictos da eternidade de seu mundo, os aphrikeianos não desconfiam que tudo foi criado por R’av, um ser com poderes cósmicos e obcecado pela ideia de perfeição.

O Esplendor é um romance imaginativo e envolvente de Alexey Dodsworth. Quando a luz oculta a verdade, só um mergulho aos sonhos pode iluminar o mundo que nunca se apaga.


Em Dezoito de Escorpião, romance vencedor do Prêmio Argos 2015, Alexey Dodsworth (de O Esplendor) se apropria de fatos científicos reais e os recria, compondo uma trama que se debruça sobre a mais intrigante questão: estamos sós no Universo? Descubra por sua conta e risco.

OUTRAS OBRAS DE ALEXEY






Comentários