Assombração pernambucana de Branca Dias ganha revista em quadrinhos



No Recife, a obra "A máscara da morte branca" será lançada no Museu da Cidade, no dia 14 de dezembro, às 17h, antecedida por palestra do roteirista Alexey Dodsworth

Parte integrante do rico panteão de personagens lendários e aterrorizantes das histórias de medo pernambucanas, a judia portuguesa Branca Dias é conhecida por, em noites enluaradas, lavar talheres no Açude do Prata - localizado no bairro de Dois Irmãos, Zona Norte do Recife. Encarcerada durante dois anos pela Inquisição no país natal, ela conseguiu fugir para o Brasil e seu espírito não descansa em paz enquanto houver perseguição e injustiça.

Inspirada na escrita de Edgar Allan Poe, "A máscara da morte branca" é uma história em quadrinhos baseada em lenda clássica do Nordeste antigo, lançada pela editora Draco (R$ 11,90). Com roteiro de Alexey Dodsworth, arte de Isaque Sagara e capa de David Oliveira, toda a trama é historicamente embasada e conta como Branca Dias foi de heroína do povo judeu, no período colonial, a assombração dos tempos atuais. Na capital pernambucana, o lançamento da obra ocorre no dia 14 de dezembro, às 17h, no Museu da Cidade do Recife - Forte das Cinco Pontas. Na ocasião, Alexey profere  a palestra “Branca Dias e outras sombras”. A revista será vendida no local.

"A máscara da morte branca" tem 32 páginas em preto e branco, formato 17 x 24 cm, papel pólen bold, capa cartonada. A gênese da obra surgiu a partir de interesses bem pessoais do roteirista. Tendo como um dos seus hobbies preferidos o estudo de genealogias, Alexey descobriu que o casal de judeus portugueses Branca Dias e Diogo Fernandes são seus ancestrais (quinze gerações até chegar a ele). A partir daí, ele passou a pesquisar sobre a vida da pessoa real por trás do mito assombrado. "Além disso, tomei conhecimento de uma lei decretada pelos governos de Portugal e da Espanha, que concede cidadania a quem provar que descende de judeus perseguidos pela Inquisição, que é exatamente o meu caso, já que ela foi presa e torturada por dois anos", conta Dodsworth.

Alexey também contratou um pesquisador português que o abasteceu com uma volumosa quantidade de fontes sobre a história de Branca Dias, como, por exemplo, os arquivos da Torre do Tombo, em Portugal. "No Brasil, usei como fonte os livros do pesquisador nordestino Cândido Pinheiro Koren de Lima. Ele tem três livros com material abundante sobre Branca Dias", informa.

Além dos quadrinhos, o leitor de "A máscara da morte branca" tem acesso a trechos de alguns desses documentos históricos. Eles expõem a virulenta perseguição a que foram submetidos os descendentes de Branca Dias. A obra também serve como fonte de informação sobre um pouco da história dessa mulher que foi uma das primeiras professoras de meninas do Brasil e tem muitos descendentes espalhados pela região nordeste.

Alexey Dodsworth lança o livro no Recife. Foto: Giane Portal

POR QUE OS QUADRINHOS?

Para Alexey Dodsworth, os quadrinhos constituem uma magnífica porta de entrada para o mundo da literatura. Na visão dele, muita gente passa a ter gosto pela leitura após se aproximar desse meio. O formato revista também deve atrair mais atenção do público jovem e chegar a mais gente. "Mais adiante, pretendo explorar a história de Branca por meio da literatura. Por enquanto, quero que ela seja conhecida. Acho absurdo que a primeira professora de mulheres do nosso país seja tão pouco conhecida", aponta.

FICÇÃO E MISTÉRIO COMO FORMA DE REFLEXÃO

Indagado sobre de que forma romances de mistério, terror, medo e suspense nos ajudam a refletir sobre o mundo que nos cerca e a nós mesmos, Alexey diz que há, pela menos, duas formas de relatar uma narrativa: sem emoção e com emoção. "Se há emoção, isso chama a atenção de toda e qualquer pessoa. E o medo é a nossa emoção mais básica, é a primeira emoção que sentimos. Nossos ancestrais pré-históricos se reuniam em torno de fogueiras para contar histórias de espanto e de medo. Isso mexe com algo atávico em nós até hoje. Mesmo quem não gosta de histórias de terror se sente atraído por uma notícia que mete medo. Somos fisgados pela emoção e instigados a refletir sobre o mundo que nos rodeia", explica.

SOBRE ALEXEY DODSWORTH

Apesar do nome estrangeiro (muita gente pensa que é pseudônimo, mas é nome real), Alexey Dodsworth é natural de Salvador, Bahia. Está radicado há 14 anos em São Paulo. É doutor em Filosofia tanto pela Universidade de São Paulo quanto pela Università Ca' Foscari de Veneza, na Itália. É membro do conselho de pesquisa do Departamento de Bens Culturais e Filosofia da Università Ca' Foscari.

Seus interesses envolvem filosofia, ciência (especialmente divulgação científica), ficção científica e futurismo. Além de ficção científica e fantasia que, na visão dele, são as formas mais eficientes de instigar interesse em ciência e cultura nas pessoas.

Tem três livros publicados, todos de ficção científica: “Dezoito de Escorpião”, “O Esplendor” e “Extemporâneo”. Os dois primeiros receberam o Prêmio Argos de Literatura Fantástica, concedido pelo Clube de Leitores de Ficção Científica. Como roteirista, tem várias histórias em quadrinhos publicadas, todas elas de ficção científica, fantasia ou suspense.

SOBRE ISAQUE SAGARA

Isaque Sagara é quadrinista, pós-graduado em História da Arte pela Faculdade Paulista de Artes. "A Máscara da Morte Branca" é sua estreia no mundo das histórias em quadrinhos.



INFORMAÇÕES SOBRE A REVISTA

"A máscara da morte branca"

Roteiro e desenhos: Alexey Dodsworth, Isaque sagara, David Oliveira

ISBN: 978-85-8243-272-3
Gênero: assombração
Formato: 17cm x 24cm
Páginas: 32 PB
Ano de publicação: 2019
Preço: R$ 11,90

SERVIÇO

Palestra “Branca Dias e outras sombras”, com Alexey Dodsworth
Lançamento "A máscara da morte branca"
Sábado, dia 14 de dezembro, às 17h
Entrada gratuita - com venda da revista no local
Museu da Cidade do Recife - Forte das Cinco Pontas - Bairro de São José
Fones: (81) 3355-9543 / 3355-3107 / 3355-9544

Comentários