Doutor em psicologia critica obras de Augusto Cury: "Pseudociência"

O psiquiatra e escritor Augusto Cury. Foto: reprodução

Por AD Luna
ad.luna@gmail.com

Doutor em psicologia pela Universidade de Brasília, Adriano Facioli já participou de um dos programas do Interdependente - música e conhecimento, falando sobre a "cura" gay . Para ele, as obras do psiquiatra e escritor Augusto Cury são pseudociência.

Cury é autor da chamada Teoria da Inteligência Multifocal, tem publicações editadas em mais de 70 países e vendeu mais de 25 milhões de livros apenas no Brasil.

Adriano Facioli elenca oito hipóteses que podem explicar o fascínio de leitores pelos textos de Cury.


1. Diz o óbvio com palavras, e combinações de palavras, que as pessoas consideram bonitas e sofisticadas (eu considero cafona).

2. Constantemente faz a promoção de si mesmo, alegando que conseguiu grandes feitos tais como, por exemplo, a cura do autismo.

3. Afirma que ficou escrevendo um livro durante 17 anos, e isso para muitas pessoas por si só é sinal do empenho de alguém da estatura de um gênio.

4. Compara-se repetidamente a grandes nomes da ciência e do pensamento universal

5. É médico (as pessoas valorizam muito a figura dos médicos) e faz diversos malabarismos para apelar à autoridade que alega ter, que por ser médico seria inevitavelmente inteligente e genial.

6. Possui uma oratória eficaz. Quando fala consegue falar pausadamente, com o olhar sereno e firme em direção a seus interlocutores. É muito bom de oratória. Para essas pessoas ele transmite seriedade, serenidade e sabedoria, já que boa parte de seus discursos é constantemente preenchida por esses termos.

7. Antes de publicar seu primeiro livro ele já fazia aparições repetidas na mídia. Teve então um trabalho forte de promoção nos meios de comunicação.

8. E joga muito para o público, tentando sempre dizer o que as pessoas querem ouvir. Alega por exemplo que é um ex-ateu e constantemente faz referências a figura de Jesus Cristo, tomando-o como referência para todo e qualquer assunto que aborde. Ou seja, fala exatamente aquilo que os cristãos querem ouvir, sabendo muito bem que esses compõem a grande maioria da população brasileira.

MAIS

Conteúdos sobre ciência e conhecimento no Interdependente 

AJUDE o projeto Interdependente - música e conhecimento

No áudio aqui publicado, Adriano Facioli cita trecho do livro "Ciência e pseudociência: por que acreditamos naquilo em que queremos acreditar", de Ronaldo Pilati, colega dele e professor no curso psicologia aqui da UnB. Eles concluíram o doutorado na mesma instituição: Facioli em 2003, e Pilati em 2004: 

"Nota-se a linguagem rebuscada, muitas vezes circular, dando um claro aspecto superficial de racionalidade à sua argumentação, a qual, no fundo, é um disparate retórico sem qualquer evidência ou fundamento científico. Sua força argumentativa, se é que há alguma, está no rebuscamento e na retórica."

Ouça a fala de Adriano Facioli, na íntegra.



SUGESTÕES DE LEITURA

"Ciência e pseudociência: por que acreditamos naquilo em que queremos acreditar" 
Por Ronaldo Pilati


Você, ser racional, já se pegou acreditando em superstições ou qualquer coisa sem nenhuma evidência científica? Pois é, isso é muito mais comum do que se imagina, pois somos máquinas de crenças, que, antes de analisar criticamente, acreditamos ou desacreditamos de forma automática e só mais tarde procuramos raciocinar sobre a questão. E como combater essa tendência e não passar vexame espalhando fake news por aí? A resposta está neste livro do psicólogo e pesquisador Ronaldo Pilati: adquirir uma postura científica de compreensão do mundo. Nestes tempos de excesso de informações, muitas delas falsas, esta obra serve como um guia para se aprender como avaliar criticamente aquilo que se lê e que se ouve por aí sob o nome de “científico”. Esta obra fará você rever suas crenças. E sua vida. (Texto da Amazon)


A Impostura Científica em Dez Lições
Por Michel de Pracontal 



Um manual da farsa científica, em dez lições. É assim que o autor trata da pseudociência, atraente e difundida na atualidade. Um alerta ou um manual de uso àqueles que pretendem se aperfeiçoar na prática do charlatanismo, quanto para alertar os incautos contra as práticas daqueles que, empunhando a bandeira da ciência, pretendem burlar os preceitos da racionalidade científica. (Texto da Amazon)



Comentários

  1. Isso é um coitado invejoso que nunca vai ter o público que Augusto Cury tem. Saiba que são as palavras simples e óbvias de suas obras que alcançam de maneira mais eficaz quem mais precisa, nós os depressivos. Suas obras tiram muita gente de buracos psicológicos profundíssimos. Para você deve ser mais fácil receitar remédios e pronto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá! Comentários com xingamentos não serão aceitos.