Ciência: saiba a diferença entre hipótese e teoria



Por Karin von Schmalz 
Doutora em zoologia pela Universidade de Oxford

Mais um "pedantismo biológico", daqueles que eu fazia questão de esclarecer em sala de aula: me dá nos nervos a confusão entre "teoria" e "hipótese" que aparece em todo canto.

Como quase todas essas confusões semânticas, essa também é um anglicismo norte-americano. Fazer "teoria" e "hipótese" sinônimos enfraquece os dois termos e causa uma confusão cognitiva que leva a coisas como terraplanistas e criacionistas.

Então lá vai:

Hipótese é um palpite educado. Você lê/observa/ estuda alguma coisa e, com base nas informações disponíveis sobre o tema, desenvolve uma ideia por um caminho lógico. "Isso pode ser isso". Mas é só isso, um palpite, uma ideia, uma tentativa. Formulamos hipóteses o tempo todo. "Quem comeu o último chocolate? Só estamos nós dois aqui e não fui eu, então minha hipótese é que foi você, miserávi!". Não há provas, mas o caminho lógico leva à ideia, que só pode ser comprovada com evidências: o amendoim no meio dos dentes do ladrão de chocolate ou o papel de bombom no bolso do meliante confirmam essa hipótese.

O detetive do filme não deveria dizer que tem "uma teoria" sobre quem é o assassino, a não ser que ele já tenha a identificação por digitais, exame de pólvora ou uma confissão. Até lá, é apenas uma hipótese.

MAIS



A teoria é um apanhado teórico baseado em evidências, uma hipótese confirmada por provas. Essas provas podem ser de várias formas, mas teoria é uma hipótese que foi testada e aprovada. Na Ciência, teorias são hipóteses matematicamente apontadas como a explicação mais plausível (sempre com o erro de 5%), que repetidamente é confirmada em experimentos. A teoria da evolução, por exemplo, tem evidências antigas como fósseis ou recentes como mudanças no DNA, e pode ser simulada, repetida (dentro das restrições temporais) e verificada em instâncias diversas. Não é uma hipótese, nem é "só uma teoria", porque teorias são comprovadas. A teoria da relatividade é comprovada repetidamente por experimentos físicos e matemáticos. Dá "certo" toda vez.

Em algum lugar do passado, religiosos (sempre eles) resolveram distorcer esses termos na sua luta anti-científica. Resolveram popularizar a palavra "teoria" no lugar de "hipótese", assim fazendo toda uma geração perder o respeito pela ciência porque é baseada "apenas em teorias". Hoje, meios de comunicação, artes e qualquer zé mané que fale em público usa teoria no lugar de hipótese, e toda uma geração não tem a mínima ideia do que foi mensurado ou é só um palpite educado.

Há alguns anos, freaks religiosos americanos saíram colando stickers nos livros de biologia dizendo "Evolução é só uma teoria". Não poderiam dizer que "evolução é só uma hipótese" porque seria mentira, mas a confusão linguística passou essa impressão às massas engabeladas. Tivessem os meios de comunicação o cuidado de explicar que teorias são hipóteses testadas e comprovadas, o tal sticker seria risível. Com a confusão, centenas de milhares de pessoas usam esse "argumento" ridículo como desculpa pra desprezar o conhecimento acumulado em séculos de pesquisa.

Pessoas xingam as outras falando "isso é só uma teoria sua", juízes repetem que acusações são uma "teoria dos fatos" (deveria ser hipótese, teoria tem prova), e a tênue barreira entre realidade e pensamento mágico cai por terra. Ninguém respeita mais 5000 anos de estudos por milhões de pessoas porque "lá vem a ciência com suas teorias". Sim, teorias, não hipóteses.

O desmantelo cognitivo presente é um projeto de imbecilização antigo e eficiente. Entender o significado das palavras, e usar a terminologia correta, é a única forma de tornar a comunicação eficiente.

Ainda dá tempo de consertar. Usemos os termos certos, por favor.

Comentários

  1. Muito bem, muito bom, o que você diz não é só uma teoria hahaha, perdão pela piada, mas isso também me aborrece. Fiz doutorado e sei o que é uma teoria e, até chegar a ela, suei muito para validar as hipóteses. Na verdade, a teoria (no meu caso uma teoria da enunciação) é beeem mais rica, em seu resultado, que as meras hipóteses iniciais.
    É isso mesmo. Nos diálogos cotidianos, o senso comum denomina "suposições" de teorias, como "lá vem você novamente com suas teorias", para dizer que um interlocutor estaria tentando tapear alguém. Pelamor!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Olá! Comentários com xingamentos não serão aceitos.