Ouça "Radiola NZ Vol 1", novo álbum da Nação Zumbi

Nação Zumbi. Foto: Dovilé Babraviciuté

Por Rodrigo Brandão

É senso comum, no panteão da música brasileira, que a Nação Zumbi é a banda mais multifacetada que você respeita.

Assim tem sido desde a década 1990, e contando. Durante sua trajetória até aqui, eles compilaram uma verdadeira paleta de sabores sonoros, com tamanha identidade e propriedade, que passou a ser normal alguém dizer que determinado grupo ou música "parece Nação Zumbi".

Por essas razões, já se tornam bons candidatos a assinar um album de versões de material alheio.

O que nos leva ao novo Radiola NZ Vol 1. De Johnny Cash a Rage Against The Machine, a história da música pop tem uma boa lista de discos de reinterpretações que soam como trabalhos autorais. É o caso aqui.

Isso porque a Nação tem uma facilidade fantástica de fazer as mais diversas influências se manifestarem em seu som, sempre de forma orgânica, nunca formal ou forçada.


E, muito importante, um talento natural para injetar estilo próprio ao tocar música de outros artistas, sem no entanto descaracterizar a canção original. Se apropriam sem diluir a essência.

Quem acompanha os shows da banda sabe... São famosas as versões deles pra Sophisticated Bitch, do Public Enemy; Purple Haze, do Jimi Hendrix; ou Room Full Of Mirrors, do Kraftwerk. Sem falar no projeto paralelo Los Sebozos Postizos, dedicado à obra de Jorge Ben, e no Maracatu Atômico de Jorge Mautner e Nelson Jacobina, transformado em eterno hino por Chico Science & Nação Zumbi.

Esse superpoder permite uma seleção que poderia soar inusitada, talvez até desconexa, não fosse o caso. No Radiola, a NZ mira na Tijuca dos primeiros anos 1960, ao tocar Tim Maia (O Balanço), Roberto (via Renato Barros, em Não Há Dinheiro Que Pague) e Erasmo (via Taiguara, em Como Dois Animais Na Selva Suja Da Rua, do fundamental Carlos, Erasmo).



Mas também tem The Specials (Do Nothing), referência fundamental desde os primórdios do mangue beat; tem Ney Matogrosso revendo Secos & Molhados pelo filtro de Zumbi em Amor. E os cânones dos Beatles (a lisérgica Tomorrow Never Knows) e Marvin Gaye (Sexual Healing).

O primeiro single foi Refazenda, de Gilberto Gil, parceiro da banda desde Macô, hit de Afrociberdelia. Num encontro frutífero com o maestro Lettieres Leite e seus comparsas da Orquestra Rumpilezz, cuja relação com a obra de Gil é profunda, a Nação realça um elemento de sua alquimia musical que andava mais discreto em anos recentes. Tropical e colorido, pop sem deixar de ser roots.

A escolha é certeira, traduz o tom do trabalho, embebido de leveza sem deixar de lado a densidade. Uma dose bem vinda de descontração em tempos bicudos. É como diz aquele refrão do próprio Jorge Du Peixe: dá-lhe viver!

Que Radiola NZ seja a trilha sonora das boas novas por vir.

NAÇÃO ZUMBI
Radiola NZ Vol.1
Lançamento: Babel Sunset
Preço: R$ 20

Via Spotify




Via Deezer