sexta-feira, agosto 04, 2017

Elza Soares e Pitty cantam juntas. Assista ao clipe de "Na pele"


Capa por: Eva Uviedo

Chegou às plataformas digitais, nesta sexta (4), a canção Na pele, cantada por Pitty e Elza Soares. De acordo com a cantora baiana, a música foi composta durante a produção do álbum SETEVIDAS (2014). "Mas, naquele momento, senti que essa música não pertencia àquela obra e deixei ela 'descansar'. Guardei e fiquei com ela na cabeça esse tempo todo". Depois desse "repouso", Pitty enviou a gravação para Elza, com a intenção de que a veterana artista a tomasse para si.

No entanto, Elza Soares sugeriu que as duas deveriam cantá-la. "Quando recebi 'Na pele', foi na pele mesmo que senti. Me arrepiei. Identificação total, cara. Quando li o trecho 'o olhar tentado e atento. Se essas são marcas externas, imagine as de dentro'. Ali tomei coragem e escutei, enlouqueci. Pitty é doce e rocha ao mesmo tempo. É como se de algum modo eu me enxergasse no olhar dela, uma Elza lá de trás. Estranho é que quando ela me olha, sinto como se enxergasse uma Pitty lá da frente. A música selou essa conexão maluca", conta.


As gravações ocorreram em São Paulo, no estúdio El Rocha, e no Rio de Janeiro, no Tambor. A capa do single foi criada por Eva Uviedo. Tocam no single Duda (bateria), Guilherme Kastrup (percussão), Marcelo Cabral (baixo e synth), Martin (guitarra) e Rodrigo Campos (guitarra).

Assista ao clipe de Na pele.




Mais: Pitty fala sobre álbum Setevidas, ego, morte, sexualidade e machismo em entrevista 

Pitty e Elza Soares. Foto: Daniel Ferro


Na Pele

Olhe dentro dos meus olhos
Olhe bem pra minha cara
Você vê que eu vivi muito
Você pensa que eu nem vi nada

Olhe bem pra essa curva,
do meu riso raso e roto
Veja essa boca muda
Disfarçando o desgosto

A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio

A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio

Contemple o desenho fundo
Dessas minhas jovens rugas
Conquistadas a duras penas
Entre aventuras e fugas

Observe a face turva
O olhar tentado e atento

Se essas são marcas externas
Imagine as de dentro

A vida tem sido água
Fazendo caminhos esguios
Se abrindo em veios e vales
Na pele leito de rio