Deborah Colker e ator Chico Diaz dançam ao som de Mauro Senise

O músico Mauro Senise e a coreógrafa Deborah Colker. Foto: Ana Luisa Marinho/Divulgação
Músico fala sobre a parceria. Assista ao conteúdo do DVD Danças na íntegra

Por AD Luna

Nenhuma arte existe unicamente por si mesma. Quando se pinta um quadro, compõe-se uma canção, escreve-se um roteiro, cria-se uma coreografia, o ato reflete de maneira consciente ou inconsciente as experiências dos criadores com as manifestações artísticas com quais costumam se expressar, suas experiências de vida e o contato com outras artes. Em Danças, o flautista e saxofonista Mauro Senise convidou a bailarina Deborah Colker e o ator Chico Diaz a interpretar músicas instrumentais utilizando-se da dança.

O álbum, lançado pela gravadora Biscoito Fino, contém um CD e um DVD, no qual a bonita e sensível união entre as artes se dá. As imagens em preto em branco valorizaram ainda mais as interpretações. A direção geral foi assinada pelo cineasta Walter Carvalho.

De acordo com Senise, o interesse pela dança é algo que o remete a idas em gafieiras, nos anos 1970, a convite de Paulo Moura, seu professor de sax à época. “Sempre me fascinou essa coisa da música instrumental ensejando a dança, tanto na música popular quanto na clássica - com as grandes obras para balé, como as de Ravel, Stravinsky e Tchaikovsky, entre outras. Nunca tinha feito nada parecido antes de Danças”, expõe.

Ouça todas as músicas do CD Danças


Sobre a participação de Deborah Colker, Mauro Senise diz que os dois sempre desejaram fazer algo juntos, mas as agendas não batiam. Quando as circunstâncias finalmente foram favoráveis, o instrumentista enviou as músicas gravadas e pediu para que ela improvisasse passos de dança inspirados nas obras. “Ela ouviu as gravações e ensaiou com o Chico uma espinha dorsal da coreografia, mas com espaço para improviso - o que aconteceu na hora da gravação. Foi tudo muito natural e espontâneo. Houve um entrosamento mágico entre eu, Walter, Deborah e Chico. Adorei o resultado", comemora.

Apesar da empolgação com a reunião das duas artes, Senise não tem planos (pelo menos, por enquanto) para montar espetáculo. "Deborah anda dançando pelo mundo e eu participando de shows e festivais fora do Rio. Seria difícil conciliar as agendas", justifica.

ENTREVISTA MAURO SENISE

De que forma essa experiência mexeu no seu modo de interpretar, do sentir?
Eu sempre gostei muito de arte. Sejam as artes plásticas, a dança, o cinema... Elementos destas formas artísticas sempre inspiraram a minha música, o meu jeito de tocar, de improvisar. Talvez agora eu tenha conseguido unir elementos da dança, do cinema e da música de um jeito concreto, na forma do DVD.

Há uma diferença entre o repertório do DVD e do CD. Este último tem interpretações mais "quentes", com uso da bateria, percussão, e o primeiro é mais "etéreo". Poderia comentar a respeito?
O meu objetivo principal foi gravar um CD homenageando alguns dos músicos por quem tenho a maior admiração: Gilson Peranzzetta, Jota Moraes, Cristóvão Bastos, Antonio Adolfo e por aí vai... O DVD funciona como um complemento, onde expoloro as quatro músicas que gravei em duo no CD: com o Cristóvão, com o Jota, com o Perannzzetta e com o jovem pianista Gabriel Geszti, que toca no meu quarteto e á muito talentoso. Naturalmente as músicas com mais instrumentação são mais encorpadas. As em duo têm muitas sutilezas e dinâmicas, elementos que eu adoro e são um desafio pra qualquer músico.

Assista ao conteúdo do DVD Danças